Nota de apoio à Escritora Saíle Bárbara Barreto

Em 1973, vivíamos os piores anos de chumbo da ditadura militar. Naquele ano, estreou “O bem-amado”, de Dias Gomes, telenovela exibida pela Rede Globo, que tinha como protagonista o memorável prefeito de Sucupira, Odorico Paraguaçu, um político demagogo, verborrágico e corrupto. Mesmo com a censura correndo à solta, a obra foi ao ar, alcançando índices invejáveis de audiência.

Tempos terríveis aqueles, que ensaiam uma volta, com base na reescrita e na reinvenção da história. São dias tenebrosos os nossos, o que evoca resistência. É nesse contexto que a União Brasileira de Escritores (UBE) vem prestar seu apoio à escritora Saíle Bárbara Barreto. 

Em seu livro “Causos da comarca de São Barnabé”, a autora traz o personagem Floribaldo Mussolini, um magistrado fictício. Porém, como o personagem e o juiz de Santa Catarina têm “baldo” em seus nomes, o juiz Rafael Rabaldo Bottan, do Juizado Especial Cível de São José (SC), sentiu-se pessoalmente atacado pela obra. O agravo de instrumento será julgado no próximo dia 20 pela 3ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC). O agravo propõe a censura ao livro, num caso que encontra precedentes nos piores anos da nossa história.

O juiz Rafael Rabaldo afirma que, como o personagem comete crimes no livro, isso acaba sendo indiretamente atribuído a ele. O juiz solicitou que trechos da obra postados em uma rede social antes de o livro ser oficialmente publicado fossem retirados do ar. O pedido foi deferido.
Em função de outro processo, esse criminal e movido pelo Ministério Público, Saíle não pode citar o nome do juiz ou de seu personagem. A multa diária para a transgressão é de mil reais, e a autora pode, ainda, ser presa pela citação. O livro, o quinto da escritora, já foi publicado digital e fisicamente.

A UBE se afirma como uma entidade terminantemente contra a censura. O repúdio a esse tipo de prática bastante conhecida em ditaduras é expresso incessantemente pela entidade, sobretudo nesses últimos anos, de retorno do fascismo. Contra ele, existem forças democráticas ainda mais poderosas, que honram a difícil trajetória do Brasil para assegurar a democracia, um valor que passa muito longe de Odorico Paraguaçu.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home